Anúncios Google

Apoio incondicional

Previsão do Tempo em algumas cidades do Continente Brasileiro

Seguidores

Marcadores

Dicionário de Geografia (5) Chile (4) Furacões (4) efeito de um terremoto (3) terremoto (3) Angra dos Reis (2) Caros Amigos (2) Conhecimento Prático Geografia (2) Dicionário (2) Eleições 2010 (2) Furacão Bill (2) Veja (2) geografia (2) glossario (2) glossário de Geografia (2) revista (2) A guerra no Rio (1) A história das coisas (1) Ab'saber (1) Abalo Sísmico. (1) Amazonas (1) Atmosfera (1) Auto-aniquilamento (1) Aziz Nacib Ab' saber (1) Bacia Hidrográfica - Esquema (1) Bakunin (1) Big Stick. (1) Boaventura de Sousa Santos (1) CO2 (1) CONCENTRAÇÃO DE CO2 (1) Campeonato Brasileiro (1) Capitalismo (1) Carta na Escola (1) Censo 2010 (1) Chico Xavier (1) Clique na imagem para ampliar (1) Collateral Murder (1) Decifrando a Terra - digitalizado (1) Demerval Saviani (1) Desmatamento (1) Dilma Rousseff (1) ENEM 2010 (1) Eduardo Galeano (1) Efeito Estufa e Gases Estufa (1) Enem (1) Frei Betto (1) Geo-Referências (1) Geógrafos (1) Global Warming (1) Globo (1) Globo - Visitantes (1) Governos_nacionais_e_internacionais (1) Greve (1) Greve dos Professores de Minas Gerais (1) Guarantã do Norte (1) Haiti (1) Honduras (1) Horizonte Geográfico (1) Horário de Verão (1) IBGE (1) Iluska Coutinho (1) José Serra (1) Le Monde Diplomatique Brasil (1) Localização e Orientação (1) Luiz Eduardo Soares (1) Luís Lopes Diniz Filho (1) Mano Brown (1) Milton Santos (1) Milton Santos - Biografia (1) Milton Santos - Homenagem (1) NASA (1) Negro (1) Observatório do Planeta (1) Olhar Estrangeiro (1) Para onde vai a América Latina (1) Planeta (1) ProUni (1) RESOLUÇÃO DO ENEM; Geografia no ENEM 2010 (1) Racismo (1) Resultado final das eleições 2010 (1) Silvio Caccia Bava (1) Solimôes (1) Super size me (1) Terra no Limite (1) Unknow (1) Visitantes (1) Zelaya (1) agrotóxicos (1) alimentos contaminados (1) anamorfose (1) aquecimento global (1) artigo (1) bola murcha (1) cartas de presos (1) chacina (1) consumo (1) democratização (1) desastres naturais (1) deslizamento (1) dicionario (1) dossiê gambá (1) download (1) edição 31. (1) eleições (1) ensino superior (1) escorregamento (1) escorregamento. (1) explosão demográfica (1) glossario de geografia (1) melhores do Enem (1) mentiras midiáticas. (1) monografia (1) movimento tangencial (1) mudança climática (1) os nossos desastres naturais (1) piores do Enem (1) placas tectônicas (1) preconceito racial (1) presos (1) presídios (1) redução do desmatamento na Amazônia (1) solifluxão (1) solifluxão. (1) superpopulação (1) tectonismo (1) temperatura (1) terremoto. (1) tragédia anunciada (1) vergonha nacional (1)

Pesquisar este blog

Pesquisar na Web

Pesquisa personalizada

Resultado da Pesquisa

quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

APOLO11.COM - Satélite registra forte explosão vulcânica em ilha na Oceania

APOLO11.COM - Satélite registra forte explosão vulcânica em ilha na Oceania

segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

Terremoto - efeito

video

Se o chão se abrir sob os seus pés, saiba, não é o fim, é o dinanismo da tectônica de placas.

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Glossario de Geografia Geral


Estou disponibilizando o meu Glossário de Geografia Geral. São mais de mil verbetes.
Para ter acesso basta consultar o endereço abaixo e fazer o download.

http://www.easy-share.com/1908753006/Glossário de Geografia Cripitografado.pdf

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

ProUni: democratização do ensino superior?


Estou deixando à disposição de todos, minha monografia de conclusão de curso.
Para ter acesso ao trabalho "ProUni: democratização do ensino superior?" basta acessar o endereço abaixo e baixar o arquivo:
http://www.easy-share.com/1908744612/Monografia.pdf

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Explosão Demográfica

A terra já não comporta tanta gente?
Já são quase 7 bilhões de habitantes
China e India somente respondem por 2,5 bilhões
O Brazil já chega à casa dos 200 milhões
Pra onde vai essa gente toda?
E as condições de sobrevivência?
E a questão ambiental?

terça-feira, 21 de julho de 2009

Encontro em Manaus

O rio Negro se destaca pela grande quantidade de matéria orgânica que carrega, e o solimões pela quantidade de barro que arrasta, ambos pelo processo de erosão.
Nessa confluência que ocorre em Manaus, nasce o rio Amazonas.

sábado, 4 de julho de 2009

"Eu tenho um sonho"


Eu estou contente em unir-me com vocês no dia que entrará para a história como a maior demonstração pela liberdade na história dessa nação.
Cem anos atrás, um grande americano, na qual estamos sob sua simbólica sombra, assinou a proclamação de nossa Emancipação. Esse importante decreto veio como um grande farol de esperança para milhões de escravos negros que tinham murchado nas chamas da injustiça.
Ele veio como uma alvorada para terminar a longa noite de seus cativeiros.
Mas cem anos depois, o Negro ainda não é livre.
Cem anos depois, a vida do Negro ainda é tristemente inválida pelas algemas da segregação e as cadeias da discriminação.
Cem anos depois, o negro vive em uma ilha só de pobreza no meio de um vasto oceano de prosperidade material.
Cem anos depois, o Negro ainda adoece nos cantos da sociedade americana e se encontra exilado em sua própria terra.
Assim, viemos aqui hoje para dramatizar nossa vergonhosa condição.
De certo modo, viemos à capital de nossa nação para trocar um cheque.
Quando os arquitetos de nossa república escreveram as magníficas palavras da Constituição e a Declaração de Independência, estavam assinando uma nota promissória para a qual todo americano seria seu herdeiro.
Esta nota era uma promessa de que todos os homens, sim, os homens negros como também os homens brancos, teriam garantidos os direitos inalienáveis de vida, liberdade e a busca da felicidade.
Hoje é óbvio que aquela América não apresentou esta nota promissória.
Em vez de honrar esta obrigação sagrada, a América deu para o povo negro um cheque sem fundo, um cheque que voltou marcado com “fundos insuficientes”.
Mas nós nos recusamos a acreditar que o banco da justiça é falível.
Recusamo-nos a acreditar que há capitais insuficientes de oportunidade nesta nação.
Assim viemos trocar este cheque, um cheque que nos dará o direito de reclamar as riquezas de liberdade e a segurança da justiça.
Também viemos recordar à América dessa cruel urgência.
Este não é o momento para descansar no luxo refrescante ou tomar o remédio tranqüilizante do gradualismo.
Agora é o tempo para transformar em realidade as promessas de democracia.
Agora é o tempo para subir do vale das trevas da segregação ao caminho iluminado pelo sol da justiça racial.
Agora é tempo para erguer nossa nação das areias movediças da injustiça racial para a pedra sólida da fraternidade.
Agora é o tempo para fazer da justiça uma realidade para todos os filhos de Deus.
Seria fatal para a nação negligenciar a urgência desse momento. Este verão sufocante do legítimo descontentamento dos Negros não passará até termos um renovador outono de liberdade e igualdade.
Este ano de 1963 não é um fim, mas um começo.
Esses que esperam que o Negro agora esteja contente terão um violento despertar se a nação voltar aos negócios de sempre.
Mas há algo que eu tenho que dizer ao meu povo que se dirige ao portal que conduz ao palácio da justiça.
No processo de conquistar nosso legítimo direito, não devemos ser culpados de ações de injustiças.
Não vamos satisfazer nossa sede de liberdade bebendo da xícara da amargura e do ódio.
Sempre teremos de conduzir nossa luta num alto nível de dignidade e disciplina.
Não devemos permitir que nosso criativo protesto se degenere em violência física.
Novamente e novamente temos que subir às majestosas alturas da reunião da força física com a força de alma.
Nossa nova e maravilhosa combatividade mostrou à comunidade negra que não devemos ter uma desconfiança para com todas as pessoas brancas, para muitos de nossos irmãos brancos, como comprovamos pela presença deles aqui hoje.
Vieram entender que o destino deles é amarrado ao nosso.
Eles vieram perceber que a liberdade deles é ligada indissoluvelmente à nossa liberdade.
Não podemos caminhar só. E como caminhamos, temos que fazer a promessa de que sempre marcharemos à frente. Não podemos retroceder.
Há esses que estão perguntando para os devotos dos direitos civis, “Quando vocês estarão satisfeitos?”
Nunca estaremos satisfeitos enquanto o Negro for vítima dos horrores indizíveis da brutalidade policial.
Nunca estaremos satisfeitos enquanto nossos corpos, pesados com a fadiga da viagem, não poderem ter hospedagem nos motéis das estradas e nos hotéis das cidades.
Não estaremos satisfeitos enquanto um Negro não puder votar no Mississipi e um negro em Nova York acreditar que ele não tenha motivos para votar.
Não, não, não estaremos satisfeitos até que a justiça e a retidão rolem abaixo como águas de uma poderosa correnteza.
Eu não esqueci que alguns de vocês vieram até aqui após grandes testes e sofrimentos.
Alguns de vocês vieram recentemente das celas estreitas das prisões.
Alguns de vocês vieram de áreas onde suas buscas pela liberdade lhe deixaram marcas pelas tempestades das perseguições e pelos ventos de brutalidade policial.
Vocês são os veteranos do sofrimento.
Continuem trabalhando com a crença de que o sofrimento imerecido é redentor.
Voltem para o Mississipi, para o Alabama, para a Carolina do Sul.
Voltem para a Geórgia, para a Louisiana, para as ruas e guetos imundos de nossas cidades do norte, sabendo que de alguma maneira esta situação pode e será mudada.
Não se deixem cair no vale do desespero.
Eu digo a vocês hoje, meus amigos, que embora enfrentemos as dificuldades de hoje e amanhã, eu ainda tenho um sonho.
É um sonho profundamente enraizado no sonho americano.
Eu tenho um sonho que um dia esta nação se levantará e viverá o verdadeiro significado de sua crença – celebraremos estas verdades e elas serão claras para todos, que os homens são criados iguais.
Eu tenho um sonho que um dia, nas colinas vermelhas da Geórgia os filhos dos descendentes de escravos e os filhos dos descendentes dos donos de escravos poderão se sentar junto à mesa da fraternidade.
Eu tenho um sonho que um dia, até mesmo o estado do Mississipi, um estado que transpira com o calor da injustiça, que transpira com o calor da opressão, será transformado em um oásis de liberdade e justiça.
Eu tenho um sonho que minhas quatro pequenas crianças vão um dia viver em uma nação onde nunca sejam julgadas pela cor da pele, mas pelo conteúdo de seu caráter.
Eu tenho um sonho hoje.
Eu tenho um sonho que um dia, no Alabama, com seus racistas malignos, como seu governador que tem os lábios gotejando palavras de intervenção e negação; nesse justo dia no Alabama, meninos e meninas negras poderão unir as mãos como meninos e meninas brancas como irmãos e irmãs.
Eu tenho um sonho hoje!
Eu tenho um sonho que um dia todo vale será exaltado, e todas as colinas e montanhas virão abaixo. Os lugares ásperos serão aplainados e os lugares tortuosos serão endireitados e a glória do senhor será revelada e toda carne estará junta.
Esta é a nossa esperança.
Esta é a fé com que regressarei para o Sul.
Com esta fé poderemos cortar da montanha do desespero uma pedra de esperança.
Com esta fé poderemos transformar as discórdias estridentes de nossa nação em uma bela sinfonia de fraternidade.
Com esta fé poderemos trabalhar juntos, rezar juntos, lutar juntos, para irmos encarcerar juntos, defender a liberdade juntos, e quem sabe, sermos um dia livres.
Este será o dia, este será o dia quando todas as crianças de Deus poderão cantar com um novo significado.
“Meu país, doce terra de liberdade, eu te canto.
Terra onde meus pais morreram; terra do orgulho dos peregrinos.
De qualquer lado da montanha, ouço o sino da liberdade!”
E se a América é uma grande nação, isto tem que se tornar verdadeiro.
E assim ouvirei o sino da liberdade no extraordinário topo da montanha de New Hampshire.
Ouvirei o sino da liberdade nas poderosas montanhas de Nova York.
Ouvirei o sino da liberdade nos engrandecidos Alleghenies da Pennsylvania.
Ouvirei o sino da liberdade nas montanhas cobertas de neve Rockies do Colorado.
Ouvirei o sino da liberdade nas ladeiras curvas da Califórnia.
Mas não é só isso. Ouvirei o sino da liberdade na montanha de Pedra da Geórgia.
Ouvirei o sino da liberdade na montanha de Vigilância do Tennessee.
Ouvirei o sino da liberdade em todas as colinas do Mississipi.
Em todas as montanhas, ouvirei o sino da liberdade.
E quando isto acontecer; quando permitirmos o sino da liberdade soar; quando deixarmo-lo soar em toda moradia ou vilarejo, em todo estado e em todas as cidades, poderemos celebrar aquele dia quando todas as crianças de Deus, homens pretos e homens brancos, judeus e gentios, protestantes e católicos, poderão unir mãos e cantar nas palavras do velho espiritual negro:
“Livre afinal, livre afinal! Agradeço ao Deus todo-poderoso. Somos livres afinal!”

Martin Luter King Jr. (28/08/1963)




Glossario Geográfico - Referências Bibliográficas









REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS


AB’ SABER, Aziz Nacib. Os domínios de natureza no Brasil: Potencialidades paisagísticas. São Paulo: Ateliê Editorial, 2005.

______. Prospectivas: À beira do novo milênio. São Paulo: Unisinos, [s.d.].

______. A Amazônia: do discurso a práxis. São Paulo: Edusp, 1996.

______. Padrões de paisagens inter e sub-tropicais brasileiras. São Paulo, [s.d.].

______. Formas de relevo: trabalhos práticos. São Paulo: EDART, 1975.

AGÊNCIA NACIONAL das ÁGUAS (ANA). Regiões hidrográficas do Brasil: recursos hídricos e aspectos prioritários. 2002 – CD-Rom.

ALAVI, H. O novo imperialismo. IN Perspectivas do capitalismo moderno. Rio de Janeiro: Zahar, 1971.

ALMANAQUE ABRIL. Abril (2001, 2002, 2003, 2004).

ALMANAQUE BRASIL SOCIOAMBIENTAL. São Paulo: Instituto Sócio-Ambiental (ISA), 2005.

ALMEIDA, F.G. de. Perspectivas socioeconômico-ambientais e o Projeto Grande Carajás.  CONG. BRAS. DEFESA MEIO AMBIENTE.  Rio de Janeiro, 1989. Anais... Rio de Janeiro, UFRJ. V. 1.

ANDRADE, Manoel Corrêa de. Geografia econômica. São Paulo: Atlas, 1998.

______. Imperialismo e fragmentação do espaço. 2. ed. São Paulo: Contexto, 1989.

Anuário Estatístico do Brasil. Rio de Janeiro: IBGE, 2000.

ARAÚJO, M. A. R. O que é a destruição da camada de ozônio: como o Brasil pode ser afetado. Coleção Cara Pintada de Educação Ambiental. Belo Horizonte, 1993. 24 p.

ATLAS DO ALUNO – ESCOLAR GEOGRÁFICO. Jaraguá do Sul (SC): Avenida, 2005.

ATLAS GEOGRÁFICO ESCOLAR. Rio de Janeiro: IBGE, 2003.

ATLAS GEOGRÁFICO MELHORAMENTOS. São Paulo: Melhoramentos, 2002.

ATLAS GEOGRÁFICO MUNDIAL. Barcelona (Espanha): Editorial Sol 90, 2005.

ATLAS NATIONAL GEOGRAPHIC. São Paulo: Abril, 2008.

AVÉROUS, Pierre; KRÄHENBÜHL, Eddy. No Extremo da Terra, a Antártida. São Paulo: Augustus, 1996.

AYOADE, J. O. Introdução à climatologia para os trópicos.  8. ed. Bertrand Brasil, 2002.

BALMACEDA, Raul. Geografia de America y de Antártida. Buenos Aires, 1994.

BARRETO, M. Atlas escolar geográfico. São Paulo: Escala Educacional, 2005.

BARROS, José D'Assunção. História, espaço e tempo: interações necessárias. Varia hist. [online]. 2006, vol.22, n.36, pp. 460-475. ISSN 0104-8775. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/vh/v22n36/v22n36a12.pdf.

BARROS, Rafael Gravina de. O conceito de Paisagem nos livros didáticos da 5ª série do Ensino Fundamental. Monografia apresentada à disciplina GEO 481- Monografia e Seminário - como exigência parcial para conclusão do Curso de Bacharel em Geografia. Orientador: Eduardo José Pereira Maia. Universidade Federal de Viçosa Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes DAH – Departamento de Artes e Humanidades Curso: Geografia. Viçosa, 2007. Disponível em: http://www.geo.ufv.br/docs/monografias/2007SegundoSemestre/rafael.pdf.

BASTOS, Vânia Lomônaco; SILVA, Maria Luiza Falcão. Para entender as Economias do Terceiro Mundo.  Brasília: UNB, 1995.

BATISTA, P. Nogueira. O Consenso de Washington - A visão neoliberal dos Problemas Latino-americanos. São Paulo: Consulta Popular, 1994.

BAUMAN, Zygmunt. Em busca da política.  Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2000.

______. Modernidade Líquida.  Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

BECKER, Bertha K. et al. (Org.) - Geografia e meio ambiente no Brasil. São Paulo / Rio de Janeiro: HUCITEC / Comissão Nacional do Brasil da União Geográfica Internacional, 1995.

BELTRAME, Zoraide V. Geografia, Os Continentes. Supletivo primeiro grau. 12ª edição. São Paulo: Ática, 1998.

BIGARELLA, J.J.; MAZUCHOWSKI, J.Z. Visão integrada da problemática da erosão.  III Simpósio Nacional de Controle da Erosão. Maringá, 1985.

BOBBIO, Norberto; PASQUINO, G.; MATTEUCI, N. Dicionário de Política. 10. ed. Brasília: UNB, 1997.

BORDO, Adilson Aparecido et al. As diferentes abordagens do conceito de território. Pós-graduação: FCT/UNESP. Disponível em: http://www.temasemdebate.cnpm.embrapa.br/textos/051018_TERRITORIO_ESPACO_quarta.pdf.

BRAGA, Antonio Celso de Oliveira. Estimativa da vulnerabilidade natural de aqüíferos: uma contribuição a partir da resistividade e condutância longitudinal. Rev. Bras. Geof. [online]. 2008, vol.26, n.1, pp. 61-68. ISSN 0102-261X. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbg/v26n1/a05v26n1.pdf.

BRAGA, Marco Antonio et al. Mapeamento litológico por correlação entre dados de aeromagnetometria e aerogradiometria gravimétrica 3D-FTG no quadrilátero ferrífero, Minas Gerais, Brasil. Rev. Bras. Geof. [online]. 2009, vol.27, n.2, pp. 255-268. ISSN 0102-261X. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbg/v27n2/a08v27n2.pdf.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. O que é educação. Coleção Primeiros Passos. São Paulo: Brasiliense, 2006.

BRUIT, Héctor H. Revoluções na América Latina. 4. ed. São Paulo: Atual, 1988.

BRUM, Argemiro J. Desenvolvimento econômico brasileiro. Edição nº 20. Vozes, 1999.

CAETANO, Marcello. Princípios Fundamentais de Direito Administrativo. Coimbra: Almedina, 1996.

Cadernos NAE – NÚCLEO de ASSUNTOS ESTRATÉGICOS da PRESIDÊNCIA da REPÚBLICA. Mudança de Clima (Vol. I), nº 3, Fevereiro, 2005.
CALDEIRA, Teresa Pires do Rio. Cidade de muros: crime, segregação e cidadania em São Paulo.  São Paulo: Edusp, 2000.
CALLAI, Helena Copetti. Aprendendo a ler o mundo: a geografia nos anos iniciais do ensino fundamental. Cad. CEDES [online]. 2005, vol.25, n.66, pp. 227-247. ISSN 0101-3262. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ccedes/v25n66/a06v2566.pdf.

CAPOZZOLI, Ulisses. 10 mitos sobre a sustentabilidade. São Paulo: Duetto, 2009. 80 p. (Terra 3.0; v. 1).

______. A autossuficiência das cidades. São Paulo: Duetto, 2009. 80 p. (Terra 3.0; v. 2).

______. Aquecimento da atmosfera. São Paulo: Duetto, 2009. 80 p. (Terra 3.0; v. 3).

______. Água e sustentabilidade. São Paulo: Duetto, 2009. 80 p. (Terra 3.0; v. 4).

CARDOSO, C. F. S. O trabalho na América Latina colonial.  2. ed. São Paulo: Ática, 1988.

CARDOSO, E. & HELWEGE, A. A economia da América Latina. São Paulo: Ática, 1993.

CARRION, Raul K. M.; VIZENTINI, Paulo G. F. Globalização, neoliberalismo, Privatizações – Quem decide este jogo?  2. ed. Porto Alegre: Universidade/UFRGS, 1998.

CARSON, M.; KIRKBY, M. J. Hillslope from and processes. Cambridge University Press, Cambridge, 1972.

CASAS, J. C. Um novo caminho para a América Latina.  Rio de Janeiro: Record, 1993.

CASTELLAR, S.; MAESTRO, V. Geografia. Projeções cartográficas Américas: território, população, economia, cultura. São Paulo: Quinteto Editorial, 2001.

CASTELLS, Manuel. A Sociedade em Rede. A Era da informação: Economia, Sociedade e Cultura. São Paulo: Paz e Terra, 2000.

CASTRO, Iná Elias de; GOMES, Paulo C. da Costa; CORRÊA, Roberto Lobato. Geografia: Conceitos e Temas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1995. 353 p.

CASTRO, T. Nossa América. Geopolítica comparada. Rio de Janeiro: IBGE, 1992.
CASTROGIOVANNI, Antônio Carlos. Ensino de Geografia. Mediação, 2001. 174 p.
CAVALCANTI, Lana de Souza. Cotidiano, mediação pedagógica e formação de conceitos: uma contribuição de Vygotsky ao ensino de geografia. Cad. CEDES [online]. 2005, vol.25, n.66, pp. 185-207. ISSN 0101-3262. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ccedes/v25n66/a04v2566.pdf.
CHALMERS, ALAN F. O que é ciência afinal? Tradução: Raul Filker. São Paulo: Brasiliense, 1993. 210 p.

CHAUÍ, Marilena. Convite à Filosofia. São Paulo: Àtica, 2000. 304 p.

______. Brasil. Mito fundador e sociedade autoritária.  1. ed. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2000.

______. O que é ideologia.  São Paulo: Brasiliense, 1984.

______. Voto útil. Campinas, 1982.

CHIAVENATTO, Julio José. Genocídio Americano: A Guerra do Paraguai. 15. ed. São Paulo: Brasiliense, 1983.

CLARKE, Robin & KING, Jannet. O Atlas da Água. São Paulo: Publifolha, [s.d.].

COELHO, Marcos de Amorim. Geografia geral – O espaço natural e socio-econômico. 3. ed. São Paulo: Moderna, 1992. 320 p.

COMITÊ MINEIRO. Guerra e ALCA - A recolonização imperialista. Fórum Social Mundial, Belo Horizonte: Globograf, 2003.

CORRÊA, Roberto Lobato. Região e Organização Espacial. Série Princípios. São Paulo: Ática, 2002.

CORSON, W. H. (eds.). Manual Global de Ecologia. São Paulo: Augustus, 1993.

COSTA, Wanderley Messias da. Geografia Política e Geopolítica: Discursos sobre o Território e o Poder. 2ª ed. São Paulo: Edusp, 2008. 352p.

______; MORAES, A. C. R. Geografia Crítica - A VALORIZAÇÃO DO ESPAÇO. São Paulo: Hucitec, 1984.

DANIELS, P. S.; HYSLOP, S. G. Atlas da história do mundo. National Geographic, 2005.

DEMILLO, Rob. Como funciona o clima. São Paulo: Quark Books, 1998.

DICIONÁRIO ENCICLOPÉDICO ILUSTRADO: Veja Larousse. Volume I, São Paulo: Abril, 2006.

DOWBOR, Ladislau. A formação do terceiro mundo. Coleção Tudo é História, São Paulo: Brasiliense, 1995.

DUARTE, Regina Horta. Natureza e sociedade, evolução e revolução: a geografia libertária de Elisée Reclus. Rev. Bras. Hist., Jun 2006, vol.26, no.51, p.11-24. ISSN 0102-0188. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbh/v26n51/02.pdf.

DUVERGER, Maurice. Os partidos políticos. Rio de Janeiro: Zahar, 1970.

ENS, H. H.; MORAES, P. R. A história da Terra. São Paulo: Harbra, 1997.

FERRAZ, Cláudio Benito Oliveira. Geografia: o olhar e a imagem pictórica. Pro-Prosições [online]. 2009, vol.20, n.3, pp. 29-41. ISSN 0103-7307. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pp/v20n3/v20n3a03.pdf.

FERREIRA, G. M. L. Atlas geográfico Espaço Mundial. São Paulo: Moderna, 2003.

FIRKOWSKI, O. L. C. de F. Industrialização: questão ambiental e Mercosul. Londrina, volume 8, nº 2, 1999.

FITZ, Paulo Roberto. Cartografia Básica. São Paulo: Oficina de Textos, 2008. 144 p.

______. Geoprocessamento sem complicação. São Paulo: Oficina de Textos, 2008. 160 p.

FRANÇA, Júnia Lessa; VASCONCELLOS, Ana Cristina de. Manual para normalização de publicações técnico-científicas. 8. ed. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2007. 255 p.

GALEANO, Eduardo. As veias abertas da América Latina. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1991.

GALLART, Maria Antônia. A formação para o trabalho na América Latina: Passado, Presente e Futuro. UNESCO, Brasília, 2002.

GALVAO, Olímpio J. de Arroxelas. Globalização e mudanças na configuração espacial: da economia mundial: uma visão panorâmica das últimas décadas. Rev. econ. contemp. [online]. 2007, vol.11, n.1, pp. 61-97. ISSN 1415-9848. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rec/v11n1/a03v11n1.pdf.

GAZETA MERCANTIL LATINO-AMERICANA. U.M.A. - Ciências gerenciais, 1997.

GIDDENS, Anthony. A constituição da sociedade. São Paulo: Martins Fontes, 1989.

______. As conseqüências da Modernidade. São Paulo: Unesp, 1991.

GIOVANNETTI, Gilberto; LACERDA, Madalena. Dicionário de Geografia.  Editora Melhoramentos, [s.d.].

GOLDEMBERG, José. Energia nuclear: vale a pena? 4. ed. São Paulo: Scipione, 1990.

GONÇALVES, Hortência de Abreu. Manual de Monografia, Dissertação e Tese. São Paulo: Avercamp, 2004. 124 p.

GRANDE ENCICLOPÉDIA LAROUSSE CULTURAL. Nova Cultural, São Paulo: Plural, 1998.

GRUN, Roberto. A sociologia das finanças e a nova geografia do poder no Brasil. Tempo Soc. [online]. 2004, vol.16, n.2, pp. 151-176. ISSN 0103-2070. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ts/v16n2/v16n2a07.pdf.

GUERRA, A. J. T.; CUNHA, S. B. Geomorfologia e Meio Ambiente. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1996.

______; ______. Geomorfologia do Brasil. 4. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006.

GUERRA, A. T.; GUERRA, A. J. T. Novo dicionário geológico-geomorfológico. 2. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001.

HOUAISS, Antônio. Dicionário Eletrônico Houaiss da Língua Portuguesa. Instituto Antônio Houaiss, editora Objetiva LTDA, 2001.

IANNI, Otavio. A sociedade global. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1996.

______. O Labirinto latino-americano. Petrópolis: Vozes, 1995.

IBGE. Atlas geográfico escolar.  Rio de Janeiro, 2002.

______. Recursos naturais e meio ambiente: uma visão do Brasil. 2. ed. Rio de Janeiro, 1997.

______. Vocabulário básico de recursos naturais e meio ambiente. 2. ed. Rio de Janeiro, 2004.

______-UNICEF. Condições de Sobrevivência de Crianças, 1991.

IPCC – Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas. Relatório sobre impactos na Mudança Climática, Adaptação e Vulnerabilidade.  Novos Cenários Climáticos – ONU, Abril, 2007.

JATOBA, Sérgio Ulisses Silva; CIDADE, Lúcia Cony Faria e  VARGAS, Glória Maria. Ecologismo, ambientalismo e ecologia política: diferentes visões da sustentabilidade e do território. Soc. estado. [online]. 2009, vol.24, n.1, pp. 47-87. ISSN 0102-6992. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/se/v24n1/a04v24n1.pdf.

JÚNIOR, Caio Prado. História econômica do Brasil. 44ª edição, São Paulo: Brasiliense, 2000.

______. Formação do Brasil contemporâneo. 14ª edição, São Paulo: Brasiliense, 1976.


LACOSTE, Yves. A Geografia; isso serve, em primeiro lugar, para fazer a guerra. Tradução de Maria Cecília França. Campinas: Papirus, 1988. Download do livro: http://www.filestube.com/a/a+geografia+isso+serve+em+primeiro+lugar+para+fazer+a+guerra+download.

______. Os Países Subdesenvolvidos. São Paulo: DIFEL, 1974.

LEINZ, V.; AMARAL, S. E. Geologia geral. São Paulo: Nacional, 1985.

LEMOS, Graça Maria Ferreira. Atlas Geográfico Espaço Mundial. São Paulo: Moderna, 1998.

LEMOS, Mauro Borges; DINIZ, Clelio Campolina; GUERRA, Leonardo Pontes  e  MORO, Sueli. A nova configuração regional brasileira e sua geografia econômica. Estud. Econ. [online]. 2003, vol.33, n.4, pp. 665-700. ISSN 0101-4161. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ee/v33n4/v33n4a03.pdf.

LEROUX, M. Global warming: mito ou realidade? A evolução real da dinâmica do tempo.  Annales de Géographie, n. 624, 2002.

LOVELOCK, James. A vingança de Gaia. Intrínseca, 2006.

LUXEMBURGO, Rosa. Reforma ou Revolução? 4. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2005.

MACIEL, Carlos; KUNZLER, Jacob Paulo. Mercosul e o mercado internacional. Porto Alegre: Ortiz, 1995.

MAGALHÃES, A. Enciclopédia Globo para cursos Fundamental e Médio. Porto Alegre: Globo, 1973.

MAGNO, Marcus. Conceitos de “Tafrogênese, Graben, Horst e Interflúvio”, elaborados e gentilmente cedidos. Belo Horizonte, 2007.

MAGNOLI, Demetrio. Globalização: Estado Nacional e espaço mundial. São Paulo: Moderna, 1997.

______; ARAÚJO, R. Geografia Geral e Brasil – Paisagem e Território. Segunda edição. São Paulo: Moderna, 1997.

______. O novo mapa do mundo.  São Paulo: Moderna, 1993.

______. O Mundo Contemporâneo. São Paulo: Ática, 1990.

MALHEIROS, Tadeu Fabricio; PHLIPPI JR., Arlindo  e  COUTINHO, Sonia Maria Viggiani. Agenda 21 nacional e indicadores de desenvolvimento sustentável: contexto brasileiro . Saude soc. [online]. 2008, vol.17, n.1, pp. 7-20. ISSN 0104-1290. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/sausoc/v17n1/02.pdf.
MARANDOLA JR., Eduardo; HOGAN, Daniel Joseph. Natural hazards: o estudo geográfico dos riscos e perigos. Ambient. soc.,  Campinas,  v. 7,  n. 2, dez.  2004 .   Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.  

MAZZINI, Ana Luíza D. A. Dicionário Educativo de Termos Ambientais. Belo Horizonte: O Lutador, 2003.

MENDES, Délio. Milton Santos: por uma outra globalização - a de todos. Texto originalmente publicado na Revista Política Democrática, Brasília, Ano 1, n.2, p.191-197, 2001. Disponível em: http://www.fundaj.gov.br/observanordeste/obex02.html

MICHALISZYN, Mario Sergio; TOMASINI, Ricardo. Pesquisa: Orientações e Normas para Elaboração de Projetos, Monografias e Artigos Científicos. Petrópolis, RJ: Vozes, 2005. 140 p.

MORAES, Alexandre de. Constituição do Brasil interpretada e Legislação Constitucional. 6ª edição, São Paulo: Atlas S. A., 2006 (atualizada até a EC nº 52/06).

MORAES, Paulo Roberto. Geografia: Geral e do Brasil. São Paulo: Harbra, 2003.

MOREIRA, Ruy. O discurso do avesso (Para a crítica da Geografia que se ensina). Petrópolis: Dois Pontos, 1987.

______. O que é Geografia. Coleção Primeiros Passos, 7. reimpressão, São Paulo: Brasiliense, 2005.

______. Para onde vai o pensamento geográfico? Por uma epistemologia crítica. São Paulo: Contexto, 2006.

NARO, Nancy Priscilla S. A formação dos Estados Unidos. São Paulo: Unicamp/Atual, 1985.

NOVACK, George. Introdução à lógica Marxista. Traduzido por Anderson R. Félix. São Paulo: Instituto José Luis e Rosa Sundermann, 2005. 120 p.

Novo Atlas do desenvolvimento humano no Brasil. IPEA, 2003.

OLIC, Nelson B. Geopolítica da América Latina. São Paulo: Moderna, 1995.

OLIVA, J.; GIANSANTI, R. Espaço e modernidade: Temas da Geografia mundial. São Paulo: Atual, 1996.
OLIVEIRA, Adriano Rodrigo. Geografia e cartografia escolar: o que sabem e como ensinam professoras das séries iniciais do Ensino Fundamental?. Educ. Pesqui. [online]. 2008, vol.34, n.3, pp. 481-494. ISSN 1517-9702. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ep/v34n3/v34n3a05.pdf.
OLIVEIRA, C. Dicionário Cartográfico. IBGE, 4. ed. Rio de Janeiro, 1993.

OLIVEIRA, Gilvan Sampaio de. O El Niño e Você – o fenômeno climático. São José dos Campos: Transtec, 2000.

O MUNDO HOJE/93. Anuário Econômico e Geopolítico Mundial.
2. ed. São Paulo: Ensaio, 1993.

PEARCE, Fred. O aquecimento global – Causas e efeitos de um mundo mais quente. Série Mais Ciência – O mundo descomplicado, 2002.

PEREIRA, Diamantino. Paisagens, Lugares e Espaços: a Geografia no Ensino Básico. Boletim Paulista de Geografia, edição nº 79, São Paulo: Xamã, 2003.

PITANO, Sandro de Castro e  NOAL, Rosa Elena. Horizontes de diálogo em Educação Ambiental: contribuições de Milton Santos, Jean-Jacques Rousseau e Paulo Freire. Educ. rev. [online]. 2009, vol.25, n.3, pp. 283-298. ISSN 0102-4698.

PORTER, Michel E. As vantagens competitivas das nações.  New York, 1990.

PORTER, Michel E. Locations, Clusters and Company Strategy. New York, 2000.

PRESS, Frank. Para entender a Terra. 4. ed. Porto Alegre: Bookman, 2006.

RAFFESTIN, Claude. Por uma geografia do poder. Tradução de Maria Cecília França. São Paulo: Ática, 1993.

REVISTA BRASILEIRA DE GEOMORFOLOGIA. Ano IV, nº 02, 2003.

REVISTA CAROS AMIGOS – Edição Especial – Terra em Transe. São Paulo: Casa Amarela, Abril, 2005.

REVISTA CAROS AMIGOS – Edição Especial – Aquecimento Global: A busca de Soluções. São Paulo: Casa Amarela, Outubro, 2007.

REVISTA CIÊNCIA HOJE – Furacões: O que o aquecimento global tem a ver com isso? Edição 221, São Paulo, Novembro de 2005.

REVISTA CONHECIMENTO PRÁTICO GEOGRAFIA – nº 27, ISSN 1984-0101, Escala Educacional.

REVISTA DISCUTINDO GEOGRAFIA – Ano 3, nº 13. Editora Escala Educacional, Março, 2007.

REVISTA DISCUTINDO GEOGRAFIA – Ano 3, nº 16. Editora Escala Educacional, Outubro, 2007.

REVISTA FORMAÇÃO – Geografia Contemporânea.  Nº 12, volume 2, Presidente Prudente: Unesp, 2005.

REVISTA GALILEU, Edição Histórica. Editora Globo, nº 161, dezembro, 2004.

REVISTA GLOBO RURAL. Editora Globo, Junho, 2007.

REVISTA HORIZONTE GEOGRÁFICO, Edição histórica. Nº 100, Ano XVII, São Paulo, 2005.

REVISTA MÃE TERRA. Aquecimento Global: as causas e as conseqüências do aumento da temperatura na Terra. São Paulo: Minuano, 2008.

REVISTA NATIONAL GEOGRAPHIC Brasil. Recarregando o planetaEnergia para o futuro. Edição Especial. Editora Abril, 2009. 96 p.

REVISTA SCIENTIFIC AMERICAN BRASIL. As formas mutantes da Terra. Edição Especial, nº 20, São Paulo: Duetto, 2007.

REVISTA SCIENTIFIC AMERICAN BRASIL. Ecos de Buracos negros. Edição nº 44. São Paulo: Duetto, 2006.

REVISTA SCIENTIFIC AMERICAN BRASIL. No rastro das mutações. Edição Nº 42. São Paulo: Duetto, 2005.

REVISTA SCIENTIFIC AMERICAN BRASIL. O planeta no limite. Edição Especial, nº 41, Ano IV, São Paulo: Duetto, 2005.

ROBERTS, Geoffrey K. Dicionário de Análise Política. Civilização Brasileira, 1971.

ROCHA, C. H. B. Geoprocessamento - Tecnologia Transdisciplinar. Juiz de Fora: Edição do Autor, 2000.

ROSSETTI, J. P. Economia Brasileira. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1984.

ROSS, Jurandir. Nova classificação de relevo no Brasil. São Paulo: Edusp, 2001.

______. (Org.). Geografia do Brasil. 2. ed. São Paulo: Edusp, 1998.

______. Os fundamentos da Geografia da natureza. Geografia do Brasil. São Paulo: Edusp, 1996.

ROSSI, Clóvis. A contra-revolução na América Latina. São Paulo: Unicamp, [s.d.].

SALGADO, André A. Rodrigues. Desnudação Geoquímica e Evolução do Relevo no Espinhaço Meridional – MG. Análise Ambiental. Dissertação de Mestrado. Departamento de Geografia da UFMG, Março, 2002.

SANDRONI, Paulo. Dicionário de Economia.  São Paulo: Best Seller, 1994.

SANTOS, B. S. (Org). A globalização e as Ciências Sociais. São Paulo: Cortez, 2002.

SANTOS, Milton. A natureza do espaço. São Paulo: Hucitec, 1995.

______. A urbanização desigual. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 1982.

______. Economia Espacial: críticas e alternativas. 2. ed. São Paulo: Edusp, 2003.

______. Espaço e Sociedade. Petrópolis: Vozes, 1979.

______. Manual de Geografia Urbana. 2. ed. São Paulo: Hucitec, 1989.

______. Metamorfoses do espaço habitado. 4. edição. São Paulo: Hucitec, 1996.

______. Novos Rumos da Geografia Brasileira. São Paulo: Hucitec, 1996.

______. O Espaço dividido: os dois circuitos da economia urbana nos países subdesenvolvidos. Rio de Janeiro, 1979.

______. O País distorcido: o Brasil, a Globalização e a cidadania. São Paulo: Publifolha, 2002.

______. Por uma Nova Geografia. São Paulo: Hucitec, 1980.

______. Por uma outra globalização - do pensamento único à consciência universal. São Paulo: Record, 2000.

______. Saúde e ambiente no processo de desenvolvimento. Texto-discurso proferido durante a Conferência magna no I Seminário Nacional Saúde e Ambiente no Processo de Desenvolvimento, em 12 de julho de 2000. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v8n1/a24v08n1.pdf.

______. 1992: a redescoberta da Natureza. Aula inaugural da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, em 10 de março de 1992. Texto disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ea/v6n14/v6n14a07.pdf.

SAUVAIN, P. Montanhas, Ilhas, Desertos, Rios e Vales. São Paulo: Scipione, 1998.

SCALZARETTO, R.; MAGNOLI, Demetrio. Atlas Geopolítico. São Paulo: Scipione, 1996.

SCHOBBENHAUS, C. et al. (Coords.). Geologia do Brasil. Brasília: Departamento Nacional da Produção Mineral, 1984.

SENE, Eustáquio de. Globalização e Espaço Geográfico. São Paulo: Contexto, 2003.

SILVA, Jailson de Souza e; BARBOSA, Jorge Luiz. O sentido do trabalho Informal na construção de alternativas socioeconômicas e o seu perfil no Rio de Janeiro. Artigo disponível em: http://www.iets.inf.br/biblioteca/O_sentido_do_trabalho_informal_na_construcao_de_alternativas_socioeconomicas_e_o_seu_perfil_no_RJ.PDF .

SILVEIRA, Laura; SANTOS, Milton. Território e Sociedade no Início do Século XXI. Rio de Janeiro: Record, 2001.

SINGER, Paul et al. Mapa do Trabalho informal. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 1996.

SIOLI, Harald. Amazônia: Fundamentos da ecologia da maior região de florestas tropicais. Petrópolis: Vozes, 1985.

SOARES, Weber e  RODRIGUES, Roberto Nascimento. Redes sociais e conexões prováveis entre migrações: internas e emigração internacional de brasileiros. São Paulo Perspec. [online]. 2005, vol.19, n.3, pp. 64-76. ISSN 0102-8839.Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/spp/v19n3/v19n3a06.pdf.

SOBRINHO, J. V. Desertificação do Nordeste brasileiro. São Paulo: Padilla Indústrias Gráficas.

SOLORZANO, Alexandro; OLIVEIRA, Rogério Ribeiro de e  GUEDES-BRUNI, Rejan Rodrigues. Geografia, história e ecologia: criando pontes para a interpretação da paisagem. Ambient. soc. [online]. 2009, vol.12, n.1, pp. 49-66. ISSN 1414-753X. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/asoc/v12n1/v12n1a05.pdf.

SOUZA, J. P. G.; GARCIA, C. L.; CARVALHO, J. F. T. Dicionário de Política. São Paulo: T. A. Queiroz, 1998.

SOUZA, Reginaldo José de; PASSOS, Messias Modesto dos; Algumas reflexões sobre o território enquanto condição para a existência da paisagem. Texto resultante de reflexões no âmbito da disciplina “O tempo, o espaço e o território: uma questão de método”, ministrada pelo Prof. Dr. Marcos A. Saquet (UNIOESTE/PR) no Programa de Pós-graduação em Geografia da FCTUNESP, campus de Presidente Prudente, no segundo semestre de 2007. Disponível em: http://www.dge.uem.br/semana/eixo7/trabalho_46.pdf.

STANTON, Natasha; MELLO, Sidney L.M e  SICHEL, Susanna E. "Morfoestrutura da Cordilheira Mesoceânica no Atlâtico Sul entre 0ºS e 50ºS": Revista Brasileira de Geofísica, 24(2): 231-241. Rev. Bras. Geof. [online]. 2006, vol.24, n.4, pp. 589-590. ISSN 0102-261X. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbg/v24n4/a16v24n4.pdf.

STERN, Paul C.; YOUNG, Oran R.; DRUCKMAN, Daniel – Mudanças e Agressões ao Meio Ambiente., São Paulo: Makron Books do Brasil, 1993.

TEIXEIRA, W. et al. Decifrando a Terra. Segunda impressão; São Paulo: Oficina de textos (USP), 2003.

TEMPO & CLIMA – CIÊNCIA E NATUREZA. Abril Coleções, Rio de Janeiro: Time Life, 1996.

TROPPMAIR, Helmut. Biogeografia e Meio Ambiente. 4. Ed. Rio Claro, 1995.

VADE MECUM.  Profissional e Acadêmico. 3. Ed. São Paulo: Saraiva, 2007.

VALADÃO, Roberto Célio; MENDES, Ana Maria Barroso.  A Geografia e o vestibular da UFMG. Belo Horizonte: Speed, 1997.

VEIGA, José Eli. O que é Reforma Agrária. Coleção Primeiros Passos, 14. ed. São Paulo: Brasiliense, 1994.

VIANA. M. L. W. A americanização da seguridade social no Brasil. Rio de Janeiro, Revan: UCAM, IUPERJ, 1988.

VISENTINI, José William; VLACH, V. Geografia Crítica: Geografia do Mundo Industrializado.  São Paulo: Ática, 1998. VOL. 3.

______.  Novas geopolíticas. São Paulo: Contexto, 2000.


ZIMBRES, Eurico. Dicionário Livre de Geociências. Disponível em: http://www.dicionario.pro.br.




SITES INTERESSANTES

Ana: Agência Nacional de Águas, http://www.ana.gov.br
Associação caatinga, http://www.acaatinga.org.br
Banco Central do Brasil, http://www.bcb.gov.br
Correio Brasiliense, http://www.correioweb.com.br
CPTEC Centro de Previsão de Tempo Estudos Climáticos, http://www.cptec.inpe.br
Conferência latino-americana sobre Meio Ambiente, http://www.ecolatina.com.br
Dicionário Livre de Geociências, http://www.dicionario.pro.br
Fundação S.O.S. Mata Atlântica, http://www.sosmataatlantica.org.br
Fundação Mundial de Ecologia, http://www.ecologia.org.br
Greenpeace do Brasil, http://www.greenpeace.org.br
IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, http://www.ibge.com.br
Instituto Akatu, ONG ambiental, http://www.akatu.org.br
Instituto Brasileiro do Meio Ambiente, http://www.ibama.gov.br
ISA Instituto Socioambiental, http://www.isa.org.br
Jornal Folha de São Paulo, http://www.folha.com.br
Jornal e Projeto Manuelzão (UFMG), http://www.manuelzao.ufmg.br
Jornal O Estado de São Paulo, http://www.estado.com.br
Le Monde Diplomatique Brasil, http://diplomatique.uol.com.br
Ministério do Meio Ambiente, http://www.mma.gov.br
Organização para Proteção Ambiental, http://www.opa.org.br
PNUD Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, http://www.pnud.org.br
Rede de Agricultura Sustentável, http://www.agrisustentavel.com
Revista Caros Amigos, http://www.carosamigos.com.br
Revista Ecologia Integral, http://www.ecologiaintegral.org.br
Universidade Federal de Minas Gerais, http://www.ufmg.br
Universidade Federal do Pará, http://www.ufpa.br.
WIKIPEDIA A enciclopédia livre, http://www.wikipedia.org